Instinto de liberdade pelos caminhos de uma América do Sul desconhecida.

Diários de Motocicleta, filme dirigido pelo brasileiro Walter Salles em 2004, é um road movie que se destaca por ser ambientado na América do Sul e retratar em belas paisagens uma história verídica de descoberta e transformação.

Trata-se da viagem realizada por um bioquímico de 29 anos, chamado Alberto Granado e seu amigo seis anos mais moço, o estudante de medicina Ernesto Guevara, que mais tarde ganharia o apelido de “Che”.

O ponto de partida é a cidade de Córdoba, na Argentina e o objetivo final, Caracas, na Venezuela. Uma jornada de mais de oito mil quilômetros que seriam percorridos na velha motocicleta Norton 500 de Granado, apelidada de “La Poderosa”.

Os dois caem na estrada em 29 de dezembro de 1951, sendo a primeira parada a capital, Buenos Aires. A partir daí, atravessam a Patagônia e cruzam os Andes até chegar ao Chile onde conhecem o deserto de Atacama e entram em contato com a dura realidade dos trabalhadores das minas de cobre de Chuquicamata.

Ainda no Chile, com menos de um terço do caminho percorrido, “La Poderosa” estraga definitivamente e os dois amigos seguem em frente caminhando, pegando carona ou pagando o mínimo possível por qualquer meio de transporte disponível.

A partir daí enfrentam muitas dificuldades, mas trata-se de um preço pequeno a pagar pela liberdade de vivenciar em primeira mão vilas, montanhas, rios, cidades, povos e culturas que eles conheciam só pelos livros.

Assim eles velejam no lago Tticaca, se maravilham com os mistérios de Machu Picchu e navegam por um afluente do Rio Amazonas até chegar a uma colônia de leprosos, onde Ernesto quebra paradigmas e celebra com eles seu aniversário de 24 anos.

A chegada em Caracas acontece no dia 17 de julho de 1952, exatos seis meses e 19 dias após a partida. Mas os homens que chegam não são mais os dois jovens sonhadores que partiram.

Diários de Motocicleta é um filme que transcende seu personagem principal, que ainda está longe de ser o revolucionário amplamente conhecido. Ernesto Guevara e seu amigo Alberto Granado são dois viajantes impactados pelos contrastes de uma América do Sul então desconhecida, ela sim verdadeira protagonista de uma jornada de transformação à qual ninguém tem como passar incólume.

Compartilhe